Projeto Elas Como São + ensaio

terça-feira, novembro 29, 2016 Cecilia Fernandes 0 Comments

Alô alô vocês que, assim como eu, amam um bom projeto de fotografia
Há vários dias eu tenho comentado nas redes sociais do blog sobre um ensaio e sobre passar finais de semana fotografando, além de ter adicionado na aba de parceiros mais um link que antes não estava lá. Na última postagem do blog, eu havia comentado sobre o anúncio de parceria com a linda da Bia Cardin, mas não formalizei a postagem e nem expliquei sobre o processo todo que nos levou a fazer um ensaio e nos tornarmos além de parceiras de trabalho, amigas de fotografia. 
Depois de algum tempo de enrolação e espera para que o ensaio saísse, e de postar algumas fotos no meu feed eu tomei vergonha de estruturar e compartilhar com vocês um pouco mais sobre o trabalho dela aqui. Espero que gostem
 Quem é Bia Cardin
Essa moça sensacional da foto chama-se Beatriz Cardin, com seus 26 anos e formada em Jornalismo. A cacheada tem curso técnico em Fotografia Profissional e Fotojornalismo, é pós-graduanda em Comunicação Audiovisual e Mídias Digitais além de ser Tratadora de Imagem profissional.
Sagitariana cheia de ideias e projetos, acredita que fotografia é sobre contar uma história que carrega sentimentos, pensamentos e possibilidades de interpretação.
A Bia vê nas mulheres uma força atemporal, uma força criadora, que vem da Terra e da origem de tudo que conhecemos hoje. Ela enxerga as mulheres como a representatividade do amor, da empatia, da força e da criação dentro das coisas mais simples e naturais. Ela vê nas mulheres verdadeiras Deusas reconhecendo suas capacidades e acima de tudo como uma força capaz de gerar mudanças no mundo.

Como surgiu o projeto? 
O projeto surgiu de uma necessidade e uma observação pessoal. Como ela trabalha como tratadora de imagens profissional há um ano e meio, neste período fez várias remoções e alterações em corpos e rostos considerados "imperfeitos", assim como os clientes desejavam que fosse feito. A partir do amadurecimento da Bia como pessoa, principalmente como mulher e feminista, ela viu uma contradição crescente entre o trabalho e a ideologia que ela tinha. Sabemos que, há muito tempo as revistas moldam na mente das mulheres um ideal de corpo perfeito para ser alcançado e dentro deste padrão não existe acne, manchas, marcas de expressões, marcas na barriga, estria, celulite, cicatrizes, marcas de sol e tantas outras coisas que fazem de nós quem somos, e a realidade desses fatos a fez pensar sobre o que estava fazendo.

Ainda que precisasse dar continuidade ao trabalho que possuía por questões financeiras, ela se convenceu de que era possível fazer fotos bonitas com as mulheres sendo apenas como elas são, com seus sorrisos genuínos, curvas maravilhosas, cabelos como gostam e olhares que as definem. A intenção de fazer esses ensaios naturais era mostrar às mulheres que suas características são uma qualidade e não um defeito como tentam nos impôr por meio da mídia cheia de modelos montadas fotograficamente e esteticamente.

Após pensar muito no que ela estava expondo através de seu trabalho, a Bia lançou um desafio no Facebook perguntando quem teria coragem de fazer um ensaio fotográfico sem maquiagem e sem tratamento de pele. Demorou um tempo para que alguma mulher se manifestasse, até que um homem disse "Se ninguém quiser, eu quero", em seguida, uma ou outra tímida mulher se manifestou. Foi pouco, e ela quis expandir o alcance da publicação então acabou postando o mesmo desafio no grupo de Ação Feminista de Goiânia e a partir desse momento, o projeto ganhou vida com incontáveis mulheres se manifestando, querendo participar dessa ideia. 

A Bia não sabia muito bem como seria a logística dos ensaios, como ela executaria as fotografias e nem a proporção que o projeto seria capaz de alcançar, mas a cada ensaio ela percebeu que a identidade do projeto ia se formando. Enquanto os ensaios se desenrolavam, ela foi descobrindo o próprio estilo fotográfico e passou a rejeitar muitas regras exigidas pela fotografia, foi ultrapassando barreiras e se inventando junto as ideias que surgiam na hora de capturar a imagem. Nesse processo todo ela também redescobriu sua própria autoestima, pois a cada ensaio com uma mulher, ela se dispunha a ir sem maquiagem, exposta e aberta a ser quem ela é. Quando a Bia fotografa, ela encontra, além de uma modelo, uma mulher com uma história de vida diferente, uma personalidade única e uma forma específica de ver o mundo, o que a faz crescer ainda mais. 

Na minha sincera opinião, a beleza do projeto da Bia vai além da naturalidade das mulheres que ela fotografa, vai além das diferenças entre elas e de como elas se mostram diante das lentes. A beleza do projeto Elas Como São reside na capacidade que a fotografia tem de capturar a essência da mulher e interpreta-la de uma forma pura e crua, sem excessos e mudanças que a transforme em algo que ela não é. Os ensaios e as fotos revelam àquelas que são fotografadas perspectivas diferentes das que estão acostumadas a ver quando se colocam diante do espelho ou de uma selfie no celular, e isso é incrível.

Como eu conheci o projeto
Eu conheci o projeto por meio do grupo Ação Feminista e por algumas conhecidas minhas que fizeram ensaios com a Bia, depois de ficar vagando nas redes sociais da iniciativa, vendo as fotos, gifs e redes sociais que divulgavam o resultado dos trabalhos, tomei a atitude de mandar um e-mail para a Bia na tentativa de entrar em contato e conseguir uma parceria. Quando a resposta veio quase imediatamente e com um tom entusiasmado de quem estava curiosa e ansiosa para começar os trabalhos, percebi que havia  encontrado ali uma moça disposta e animada assim como eu. Conversamos por e-mail até percebermos que morávamos na mesma vizinhança e depois disso todo o processo do ensaio e da parceria tornou-se mais fácil.

A Bia veio aqui em casa, no dia das eleições de prefeito de Goiânia, e por isso fizemos algumas fotos rápidas quando meus cabelos ainda estavam castanhos com fios mais claros devido as mechas e as horas no sol. As fotos foram feitas de forma rápida devido o evento que acontecia na cidade e por causa disso tivemos que remarcar para refazer algumas semanas depois desse primeiro encontro, por consequência disso meu aniversário havia passado e a louca que vos escreve já havia escurecido o cabelo de novo na intenção de faze-lo voltar ao normal, gerando a mudança de aparência no ensaio.

Por causa disso o ensaio apresenta-se dividido em duas partes, a primeira com o vestido foram as fotos tiradas de forma rápida e a segunda em que meu cabelo parece estar preto foram as tiradas com mais calma e mais conversa entre eu e a Bia. O cenário para o ensaio foi o jardim da minha casa e o meu refúgio lilás, meu quarto tão amado. 

Por que eu decidi participar por meio do ensaio
A vontade de conhecer e participar do projeto foi explicada brevemente num vídeo que a Bia postou na página dela, mas decidi prolongar a explicação aqui. Quando eu ouvi falar da iniciativa e li a explicação da Bia para fazer um projeto com mulheres sem maquiagem e sem tratamento de pele, percebi que minha participação no projeto seria uma forma de conversar comigo mesma, de tratar minha autoestima que nunca foi muito estável e forte apesar de tudo, de me ver de outra forma, de aprender a sorrir naturalmente e também conhecer melhor a autora de todo o projeto.

Eis que tive a coragem de, muito timidamente, sugerir a minha participação e acabou dando certo. Assumo que não sabia muito o que fazer diante da câmera, por isso fiquei mexendo com as flores do jardim na intenção de não pensar demais na lente apontando na minha direção, a Bia me deixou bem confortável e foi conversando comigo durante todo o processo na intenção de me deixar menos preocupada, acabamos experimentando ideias novas, tentando ângulos diferentes e cada ação repentina minha apresentava-se como uma boa ideia para uma foto.

Demoramos o máximo de tempo que podíamos na segunda vez e acabou ficando a vontade de fazer mais, acabaram surgindo ideias de novos trabalhos e projetos que talvez ganhem vida com o tempo. A Bia e eu somos bem parecidas e percebemos que temos muitos assuntos a serem conversados e muito a aprender uma com a outra, o que torna essa parceria ainda mais importante e especial na minha opinião.

Continuo empolgada diante de todas as possibilidades, fiquei muito feliz com os resultados do ensaio e com essa nova amizade que tende a render muitos frutos. Foi uma experiência nova, extremamente divertida e que inicia uma nova fase do blog, da minha vida pessoal e da minha visão de mundo, através das manhãs sendo fotografada pude me perceber de uma forma diferente e me ver a partir de uma perspectiva que não conhecia. A intenção de ser como eu sou acabou indo além do ensaio e se tornando um dos tantos preceitos que levo para minha vida, sou muito grata pela oportunidade que a Bia e essa parceria me deu. Por fim: espero que todas as pessoas, tanto as modelos quando as que curtem a página, possam sentir o mesmo que sinto e a importância da visão que as fotos transmitem a todos. 

Redes sociais e links 

0 comentários: