Primeiras experiências e impressões de um jogo de futebol americano

Por Cecilia Fernandes - domingo, junho 05, 2016


Minha ligação com esporte sempre se deu pela relação do meu irmão com esse universo, embora me transforme na maior adoradora de futebol durante a época da Copa do Mundo e tenha superado meu fanatismo com esse esporte após a derrota do Flamengo contra o Fluminense no Campeonato Brasileiro de Futebol em 2008. Tenho gosto forçado por academia, mais por necessidade do que por amor pessoal, e por atividades simples como correr na rua, paixão despertada pelo movimento constante das ruas ao redor da minha casa. 

Apesar desse cenário, me esforço para apoiar ao máximo - quase freneticamente - os atletas da minha família em todas as suas atividades, seja em uma competição de pingue-pongue ou em um amistoso de futebol americano. Futebol americano, eis o esporte que despertou em mim a fã inativa há tanto tempo, apesar de ser completamente leiga, comecei a entender o básico e fui ao primeiro jogo do meu irmão. Neste evento do dia 19 de março, capturei imagens, que só fui capaz de separar e analisar no dia em que escrevo e publico essa postagem, e anotei minhas primeiras impressões sobre este esporte desconhecido no cenário goianiense e em ascensão no país. 


Era um dia quente, com um calor daqueles capazes de evaporar qualquer água em garrafa aberta. De acordo com os termômetros da região, faziam 32 ardentes graus Celsius que queimavam as costas de cada uns dos jogadores e torcedores que se encontravam no clube para ver o jogo do Goiânia Rednecks contra o Tubarões do Cerrado. O sol queimava meus ombros enquanto eu tentava tirar fotos legais de dentro do campo, queimavam o do meu meu irmão que carregava água de um lado para o outro e criava longas ondas de calor no horizonte, em contraposição a tudo isso, um céu maravilhosamente repleto de nuvens nos agraciava em sua totalidade. Era um bom clima para um jogo, afinal.

No total éramos seis: eu, meu pai, meu irmão que ia ajudar o pessoal durante o jogo, meu outro irmão, uma amiga minha e seu namorado junto aos equipamentos e minha câmera amada. Além disso mais duas amigas do grupo que chegariam mais tarde, Nós chegamos bem cedo, então o movimento no campo era pouco, pude fotografar os jogadores aquecendo, o campo, a paisagem e aprender um pouco mais sobre a dinâmica do esporte.

Era o primeiro jogo do esporte que eu assistia e assumo que foi necessário longos dias de explicação e diversas laranjas estrategicamente posicionadas pelo irmão na nossa mesa de jantar para que eu conseguisse entender - uma mísera parcela - das regras e do funcionamento do jogo. Muitos nomes em inglês, muita gente que corre, mais gente que bate de frente com o outro time, um cara que engana os jogadores e um técnico nervoso constituem o cenário básico de um time de futebol americano.

Comprei minha camiseta mesmo estando absurdamente quente para usar tons escuros e fui para o campo - até onde deixaram - na intenção de ter minha primeira experiência com fotografia esportiva, confesso que estava animada para o jogo começar, já não aguentava mais beber tanta água e ver o pessoal alongando, mas a espera foi recompensada por cada segundo.

As arquibancadas se mostravam cada vez mais cheias de torcedores vestidos com suas camisetas do time, com grande entusiasmo quanto ao jogo. Juízes e flanelinhas se reuniram na intenção de repassar as regras antes do jogo, comentaristas se posicionaram no topo tendo uma boa visão do campo, as líderes de torcida se posicionaram no canto do campo, os jogadores se reuniram em seus vestiários a fim de fazer sabe se lá o que eles fazem antes do jogo e ao meu ver todos se mostravam ansiosos para a partida começar.

Os times se reuniram para cantar o hino (brasileiro, algumas pessoas esperavam algo diferente, e eu assumo que naquele clima americano achei que fosse rolar um hino ao futebol americano ou algo louvando o Peyton Manning). O juiz soltou o apito e depois de uma abertura super amor envolvendo meu irmão cadeirante, o jogo teve início e as coisas começaram a ficar confusas para mim.

Em diversos momentos do jogo, eu me virava para checar a câmera e der repente ouvia todo mundo gritando para as pessoas se batendo no campo, juro que me perdi diversas vezes por não estar acostumada com o jogo, mas na medida do possível fui entendendo o que significava cada apito e cada movimento feito pela equipe. 

O sol estava escaldante e depois de uma hora me deixei sentar na sombra e observar sentada a movimentação geral, pude observar desde os fãs vibrando com o time até o meu irmão com seus amigos enchendo garrafas d'água para os jogadores que precisavam, no meio daquele calor infernal e de um time utilizando uma das minhas cores favoritas me permiti concluir que achava o futebol americano é mais divertido que futebol usual, o tal do soccer. Algo sobre aquele espírito americano levemente abrasileirado que tomou conta do estádio, sobre as regras confusas, sobre os diversos sustos que tomei quando os times se chocavam me encantou e ali no meio senti que havia sim algum esporte que me interessasse de verdade.

Foi um jogo cansativo e demorado, assim como a maioria das partidas desse esporte costuma ser, teoricamente são quatro tempos de quinze minutos com um intervalo de doze minutos no meio do jogo, mas sempre rola alguém que machuca, um atraso, um juiz que interrompe o jogo e coisas assim que deixam a passagem do tempo mais rápida e o jogo cada vez mais lento. 

Depois de um certo tempo me cansei, muitas coisas acontecendo e diversas regras que não estavam totalmente entendidas por mim, me levaram apenas a fotografar e tentar não me perder muito, as vezes viajava um pouco e retornava devido os gritos do público, as vezes entendia e outras ficava só olhando. Assumo que nesse primeiro jogo a única regra que entendi realmente foi a de que quando o pessoal gritasse, você deveria gritar junto e bater palmas.

Bem, nesse jogo o Rednecks ganhou e continuou avançando no Campeonato, depois de vencer todos os outros times, eles conseguiram chegar na final do Campeonato Candango, onde enfrentaram novamente o Tubarões do Cerrado. Infelizmente perdemos esse jogo de 34 pontos a 14, mas foi um jogo emocionante, o time se esforçou e foi possível observar um empenho dos dois lados do campo. 

Os dois jogos foram bastante equilibrados, com boas corridas, lances e jardas percorridas. Os dois times tiveram falhas no primeiro jogo e na final de ontem, mas foi fácil notar o esforço executado pelo Rednecks que, mesmo com faltas e baixas no time durante o jogo por conta das lesões, buscou melhorar cada vez mais.

De qualquer forma, sei que ainda verei o time prosperar muito, foi um bom Campeonato e por causa dele me encontrei num esporte, espero que um dia entenda completamente o jogo, mas enquanto isso não rola #GoRednecks
(essa foto é trágica, mas eu adoro ela)

Depois do jogo do dia 19 de março, decidi ir atrás de alguns links que pudessem me explicar sobre as regras do jogo, sobre o funcionamento e sobre os detalhes para que eu pudesse entender e  acompanhar os jogos sem passar vergonha ou me perder. Na intenção de compartilhar com vocês o meu novo amor por esse esporte, vou deixar todos aqui: 

  • Compartilhe:

Postagens relacionadas

2 comentários

  1. Perfeito Ceci! Tive a mesma impressão. Achei um jogo mais estratégico. Meticuloso na coisa de enganar. Varias vezes eu ficava perdido vendo aquele tanto de gente correndo e procurando "cadê a bola?" Hahahaha. No início tava meio tímido mas no final já tava chamando o juiz de ladrão e os jogadores de mão de alface kkkkkkk...

    ResponderExcluir
  2. To propenso a ser um apoiador desse esporte aqui. Tomara que se desenvolva!

    ResponderExcluir