Como eu lido com o bloqueio criativo

segunda-feira, novembro 02, 2015 Cecilia Fernandes 0 Comments

quando o maldito bate, é pior que a bad
Alô, alô artistas e pessoas dependentes da criatividade
Depois de uma sessão de desabafo com as pessoas maravilhosas do Rotaroots referente a bloqueio criativo e falta de genialidade quanto a atualização semanal do blog eu me vi sentada diante da página em branco para criação de postagens sem a mínima ideia do que escrever, após longos minutos de procrastinação eu decidi enfrentar o demônio de frente: escrever sobre o bloqueio criativo estando em estado de bloqueio criativo
O resultado foi interessante e espero que aprendam  e consigam a superar esse maldito como eu :)
O que é bloqueio criativo?
(via: aqui ó)
A palavra em si parece um daqueles chefões que você enfrenta na última fase de um jogo, é só você coçar o nariz que o tal te mata e você fica naquele loop infinito tentando vencê-lo e no final continua se dando mal. Relaxem, não é isso tudo, mas é quase haha
Segundo nosso amigo Wikipédia,  bloqueio criativo é um fenômeno envolvendo perda temporária de habilidade de continuar gerando conteúdo, geralmente por falta de inspiração ou criatividade que atinge principalmente pessoas que utilizam de sua mente para o trabalho ou para a produção.
É aquela dorzinha de cabeça que bate quando você tem que fazer uma redação, atualizar o blog, escrever mais um capítulo ou terminar uma tarefa de casa de física onde até somar parece impossível, pois é, isso ai é o tal do chefão que aparece nas diversas fases da vida. 
Como lidar com a folha em branco?

Se desesperar é sempre a primeira opção, tudo parece maior e mais pesado quando você chega ao consenso de que o bloqueio criativo chegou ao seus pés sorrateiramente e amarrou cada parte criativa do seu corpo a uma corda invisível e forte o bastante para fazer-te deitar no chão em posição fetal e esperar as estações passarem, mas existem formas melhores de se livrar dessas amarras e eu vou compartilhar com vocês como eu faço

1. Se organize a partir deste questionário;

O que eu tenho que fazer?
Para quando eu tenho que fazer?
Por que eu não fiz antes?
Eu posso procrastinar ou aumentar o prazo?
Qual o grau de dificuldade disso?
Existe alguém que possa facilitar a execução dessa tarefa?
Como eu posso fazer isso? 
Em quanto tempo eu farei isso? 

2. Crie listas;

Nada mais prazeroso que riscar itens de listas sentindo o prazer da realização, por isso sente-se em uma cadeira e em um bloco escreva tudo, crie listra de seus afazeres, crie listas de idéias, crie listas de palavras que surgiram em sua mente, apenas as crie e no final leia o que foi escrito organizando sua criatividade e transformando-a em ação.
Eu tenho um caderno repleto de listas dos meus momentos de desordem ou bloqueio criativo, depois de um tempo até mesmo rever listas antigas me faz vencer automaticamente esse vilão. 

3. Brainstorming é a solução para qualquer seca criativa;
O que é brainstorming? É uma espécie de chuvas de idéias feitas geralmente em grupo, mas quando realizadas individualmente pode gerar resultados ainda melhores, diante daquela perturbadora folha em branco escreva tudo que vier em sua mente sem preocupar-se em conecta-las, pelo menos não agora, escreva até suas mãos doerem sem se preocupar com espaço ou aparência estética
Pare e descanse as mãos
Olhando para a folha, com outra cor de caneta, ligue as palavras e forme idéias mais desenvolvidas tentando criar algo em sua mente de forma que passe a fazer sentido: pense, escreva, ligue e por fim execute.

4. Assista algo na TV;
quem não gosta de uma boa pipoca azul não é mesmo?
Faça pipoca e assista aquele filme que estiver passando na TV, escolha aleatoriamente, aquele que te atrair por mais de dois segundos é o escolhido por mais clichê que seja, sente-se diante dele e absorve o máximo de idéias e informações possíveis tirando das transmissões coloridas algo que alavanque sua mente estagnada á ação deixando a monotonia e o bloqueio para trás
Tente anotar coisas que te atraiam no programa escolhido e deixar sua mente fluir a partir do que foi observado. 

5. Desenhe;

Mesmo não sabendo desenhar, já me peguei diante do caderno rabiscando qualquer coisa diante de um devaneio qualquer, criei histórias curtas com meus bonecos de palitos e reinventei objetos ao meu redor sem a menor pretensão de copiar ou aperfeiçoar, ficou uma droga eu assumo, mas pelo menos tirou da minha mente a preocupação com o bloqueio deixando com que ela viajasse livremente sem sentir a dor das amarras mentais.
Crie qualquer coisa que der vontade, folhas em branco são portas para inúmeras possibilidades então por que não desenhar uma porta ali mesmo?

6. Ouça música e se possível, dance;

Ponha seus fones e abandone a zona de conforto, ouça músicas que você nunca ouviu, dê uma chance para aquele sertanejo chiclete ou para aquele mpb paradão que vive tocando na rádio, deite-se e permita que as notas entrem em sua cabeça e dance com cada sinapse travada por ali.
Busque por playlists novas ou bandas que estão começando a surgir no mundo musical abrindo as janelas do corpo para batidas e vozes diferentes, se quiser, dance e pule também liberando o corpo desse estresse por falta de produção, faz muito bem. 

7. Faça algo que te agrade;
nikon mil grau
No meu caso é fotografar, sempre que me vejo bloqueada decido ligar a câmera de compor fotos com as coisas ao meu redor, uso meu cachorro de modelo ou aquele porta-lápis que fiz pro papai no natal e vou clicando até minha mente descansar.
Mas para você pode ser outra coisa e isso é totalmente ok, jogue videogame, cozinhe (ou coma), costure, arrume a casa, pinte um quadro, mexa no jardim, mude os móveis de lugar, jogue cartas, saia com o seu cachorro ou o que quer que seja, apenas faça algo que te agrade longe dos deveres.

8. Navegue por sites aleatórios; 

Nada melhor do que gastar tempo vendo assuntos fora do contexto na internet, acessando sites que não tem nada a ver com o dia, lendo reportagens de fofoca sobre um famoso qualquer, rindo de um vídeo de gatinhos ou daquela montagem que brotou na internet
Tenho alguns sites que agem como minha válvula de escape para quando a preocupação e bad semanal batem e opto por indicar àqueles que compartilham da agonia comigo:
9. Crie personagens;

Imagine uma pessoa escrevendo cada detalhe da sua aparência física enquanto sua mente cria uma imagem automática dela, crie um nome e um sobrenome, uma família, uma cidade de onde ela veio, onde ela mora, como ela foi parar ali, do que ela gosta, sua sexualidade, o nome de seus pais...
Faça perguntas sobre essa pessoa: qual o sabor favorito de sorvete dela? Ela tem alguma alergia? Ela prefere gatos ou cães? Escreva cada mínimo detalhe idealizando a criatura que está surgindo a partir de seus rabiscos e devaneios tentando visualizar quem está ai dentro de sua mente, crie ações e acontecimentos aleatórios construindo uma história a partir disso.
Vai que se torna algo mais no final do texto?

10. Durma.

Perca-se nos lençóis e travesseiros de sua cama deixando, por fim, que seu corpo descanse de forma a permitir que as engrenagens de sua mente parem com a fúria inconstante voltando, aos poucos, a trabalhar em um ritmo sadio que destrave e pare de ferir o metal que compõe sua estrutura de trabalho.
E se sonhar? Anote o que foi visto por puro prazer e técnica buscando usar isso para algo depois, como inspiração ou memória imagens de sonhos despertam bons sentimentos e trazem calmaria ao espírito. 

Depois de tantos passeios na intensa montanha-russa que é a criatividade eu me vi criando e formalizando técnicas de lidar com ela, deixando de lado o drama e trama que é o bloqueio criativo quando aprendi a manusea-lo ao meu favor transformando o vilão em um privilégio para criações como essa. Quem me conhece sabe que procrastinação rima com Cecília e antigamente eu costumava usar o bloqueio como desculpa para não continuar com o blog ou com projetos que tinham tudo para dar certo.
Não mais!
Hoje quando me vejo sentada diante da folha de papel absorvo todas as suas possibilidades e as transformo em arte nunca amassando-a e jogando fora por uma autocritica mal feita ou embasada em uma irritação crescente, a folha em branco é um convite feito à sua mente buscando transbordar suas idéias e enxuga-las enquanto faz isso. Por isso eu peço que não tema, não se desespere ou chore sentada no cantinho por não saber o que fazer com sua própria mente, tente algum dos passos acima e por mais ruim que seja no fundo existe algo bom e capaz de se tornar algo maior, pois já dizia o poeta:

0 comentários: