Série: Sense8

sábado, agosto 22, 2015 Cecilia Fernandes 4 Comments

Alô, alô amantes o Netflix e suas exímias produções
É de conhecimento geral a minha eterna procrastinação quando te trata de resenhas, por questões de disponibilidade de tempo, paciência e boa vontade acaba sendo bem raro que uma apareça por aqui. 
Geralmente, quando estou planejando uma acabo terminando uma introdução e indo ver um bom episódio de série por puro costume, mas dessa vez quando fui fazer uma resenha tive ideia para uma outra bem legal. Já havia comentado sobre Sense8 nessa postagem que foi publicada no mesmo dia em que a série estreou (e que eu assisti a temporada inteira cof cof) e depois de rever tudo algumas muitas vezes tomei vergonha na cara para falar sobre a série em si e os motivos que me levaram a ama-la incondicionalmente.
Espero que gostem :)


A série
A série narra a história de oito pessoas desconhecidas que vivem em continentes diferentes ao redor do mundo: Will Gorski, Riley Blue, Capheus "Van Damme", Sun Bak, Lito Rodriguez, Kala Dandekar, Wolfgang Bogdanow e Nomi Marks

Após compartilharem a visão da morte de uma mulher chamada Angélica todos se tornam conectados mental e emocionalmente passando a ter a capacidade de acessar sensações, momentos, habilidades e pensamentos alheios agindo como um só organismo, a essas pessoas com tais características se atribui no nome sensate.  Com a ajuda de um homem misterioso chamado Jonas, eles buscam entender o que está acontecendo e conciliar suas vidas as novas capacidades e sensações enquanto enfrentam o perigo causado pelo cruel Whispers, um homem inescrupuloso que planeja elimina-los apontando-os como ameaças aos seus planos.

No meio da trama cada um deles lida com sua realidade de vida se ajudando mutuamente diante das atribulações, compartilhando experiências, ensinamentos e até mesmo sentimentos que ultrapassam as barreiras continentais e sociais. Cada episódio narra o ponto de vista e a história de um personagem, aprofundando em sua cultura e em seus pensamentos, ao longo dos episódios vemos os personagens crescendo e mudando suas perspectivas quanto ao mundo.

A produção
A série foi desenvolvida pelo trio Lana Wachowski, Andy Wachowski e Michael Straczynski a partir de conversas aleatórias no fim de noite sobre "como a tecnologia nos une e nos separa, simultaneamente" e contou com a ajuda dos estúdios Straszynski JMS e Georgeville Television. A ideia dos produtores era produzir a série independentemente, mas depois de reunirem-se com a Netflix - que foram os primeiros potenciais compradores - optaram por utilizar desse apoio para produzir. A empresa determinou que seria uma série com 10 episódios na temporada, mas devido a quantidade de material, scripts e idéias estenderam para a 12 episódios na primeira temporada. 

A escrita dos episódios variou na mão do trio, os episódios um, dois, três, sete e oito foram escritos pelos Whachowski e o restante por Straczynski de forma que ao final da criação cada um revisou o texto do outro complementando idéias e discutindo desfechos. Em uma entrevista eles revelaram ter interesse em estender a série para cinco temporadas revelando que mapearam todas elas incluindo o desfecho da história.

As filmagens ocorreram nos oito países utilizado no processo de criação da história e cada cenário que aparece nos episódios pertence as localidades reais, os diretores traçaram um plano de viagem começando por São Francisco em julho de 2014 e terminaram na Islândia em janeiro de 2015 já que eles buscaram aproveitar das composições naturais de cada país. 

5 motivos para amar a série
1. Fala sobre o amor

A série busca acima de tudo quebrar padrões enquanto tece uma história fictícia em um mundo repleto de preconceitos, como é o que vivemos atualmente. Por meio de seus personagens a série toca cada pessoa que assiste com sua mensagem sobre a aceitação das pessoas, sobre amor e principalmente sobre todos sermos um só apesar das distâncias e culturas que nos diferem
O romance gay entre Lito e Hernandez ou entre Nomi e Amanita nos mostram que o amor prevalece acima de profissão, de padrões impostos pela sociedade, de família e costumes quando ilustra a superação em situações comuns na vida de qualquer pessoa. 

2. É tragicamente engraçado

Diante de tanta tensão e drama envolvido como consequência da própria história, os diretores conseguiram encaixar com um timing incrível situações que tiram você do desespero e te levam a gargalhada em segundos. Desde boas referências até exageros em relação ao enredo, o elenco consegue trabalhar com as diferentes situações a sua maneira, completando seus personagens com frases inesperadas.

3. É sobre pessoas e sobre o mundo

Por mais "surreal" que seja a história, no final das contas a intenção de quem a criou é falar sobre pessoas, falar sobre sentimentos, pensamentos, idéias, momentos, mentes diferentes que rondam o mundo e toda a sua extensão. A história de cada personagem completa um quadro que busca mostrar que somos todos humanos apesar das contas, erramos, acertamos, choramos e crescemos com ao longo da nossa vida. 

4. Mulheres fortes

Que sexo frágil o que! Em Sense8 os personagens demonstram sim igualidade entre os sexos, os homens são fortes e as mulheres não ficam para trás. Desde aquelas que dão a porrada até as que tomam porrada da vida e seguem em frente , vemos histórias e exemplos de superação de mulheres com personalidades (e nacionalidades) diferentes que se assemelham pela sua força e coragem, mulheres que saem de seus lugares para tomar frente em suas próprias lutas. 

 5. É, acima de tudo, emocionante. 

O que me fez ter vontade de assistir a série foi essa cena - do gif acima - em que Nomi está ditando um discurso para sua página na internet (me identifiquei, opa) em homenagem ao Dia Internacional do Orgulho Gay passando uma mensagem em relação ao amor, a união dos gêneros e a aceitação de quem somos, o vídeo curto dessa cena me emocionou bastante assim como toda a série em si.
Cada mínimo detalhe que compõe todo o quadro que é Sense8 conseguiu - e ainda consegue - tocar uma parte minha, me fazendo pensar nas situações retratadas e no mundo em geral. 


Essa. Música.
Para terminar a postagem dignamente, deixo essa música que marca diversos momentos na história e compõe uma das cenas mais marcantes e importantes na série, espero que tenham gostado da resenha e que se viciem nela como eu. 

4 comentários:

  1. https://edsonjnovaes.wordpress.com/2016/01/19/sense8/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para conhecimento e criticas.

      Parabéns pelo seu trabalho.

      Excluir
    2. Para conhecimento e criticas.

      Parabéns pelo seu trabalho.

      Excluir
  2. http://www.cancerianosemlar.com.br/2016/01/sense8.html

    ResponderExcluir