Das coisas que eu nunca te disse, mas sempre senti.

domingo, maio 10, 2015 Cecilia Fernandes 0 Comments


Decidi começar a postagem de uma forma diferente: nada de "Alô, alô..." ou "E ai galera" ou aquelas saudações afetivas aos leitores, essa postagem começa diferente por ter um objetivo diferente, não é para o meu "público-alvo" que escrevo hoje, é para a mulher que me deu a luz necessária quando nasci e continua me dando até os dias de hoje enquanto tento, com passos trôpegos, alcança-la como pessoa e acima de tudo como filha, aprendiz e pupila, esse texto é para meu maior espelho e provavelmente um dos meus maiores amor na vida. Espero que goste mãe, sempre fui boa com palavras, mas aparentemente todas as seiscentas mil palavras do dicionário não são suficientes para descrever o tamanho do meu sentimento por você.



Oi mãe, tudo bem?

Acordei nesse domingo abençoado ás nove e meia da manhã - era meu dia de folga, pô -  pensando que o dia era inteiramente e irrevogavelmente seu, desde o momento que seu despertador tocasse até a hora que você decidisse que sua mantinha velha e puída eram mais importantes que a almofada que eu deixei fora do lugar no sofá e desde que meu corpo saiu da cama até agora eu tenho pensado em como escrever isso aqui, afinal você e um grande número de pessoas irão ler isso. Bom, agora são certa de seis e quarenta e nove da tarde e você está no cômodo ao lado fazendo as unhas como sempre faz aos domingos para trabalhar durante a semana - e falar que não pode lavar a louça também, mas eu entendo, faria o mesmo no seu lugar - e eu ainda estou procurando palavras certas no meio de tantos sentimentos incertos.

Quando eu vi que o Rotaroots pedia que escrevêssemos ás nossas mães palavras que nunca havíamos dito, mas sempre sentimos meu coração bateu mais rápido. Era o presente perfeito, por não ter - ainda - meu próprio dinheiro para comprar o presente perfeito para ti fiquei um pouco chateada por não ter nada para te dar, ano passado passamos esse dia afastadas e no anterior meu presente não foi nada além de um cartão improvisado, fiquei com um peso enorme na consciência até que pensei: por que não uma carta? Afinal, você sempre disse que eu era melhor escrevendo do que falando quando o assunto era meus sentimentos: cá estamos, depois de um dia todo pensando eu decidi entrar em stand by e deixar os dedos soprarem batidas do coração livremente por aqui.

Sempre disse para as pessoas que sou uma pequena grande extensão sua, desde os meus fios de cabelo até o meu modo de ser, tudo tem um toque seu que ninguém pode tirar, sei como você odeia quando dizem "nossa, vocês são idênticas" na rua, mas meu ego bate no céu quando me vejo sendo comparada a uma mulher tão incrível como você. Talvez por sermos tão parecidas brigamos tanto, nossas personalidades se batem violentamente justamente por eu ser você numa versão adolescente com cabelos mais revoltosos, mas não seriamos quem somos se não brigássemos por tantas coisas como duas crianças.

Você sempre procurou me dar a melhor educação de todas, doutrinando-me com todo o amor que uma mãe pode ter por uma filha, sempre me disse que era errado colocar o dedo na tomada, mas soube que eventualmente eu iria fazer isso tentando entender o porquê de ser errado e quando eu fiz você ficou desesperada e depois de algum tempo me abraçou com carinho enquanto eu mordia o dedo machucado, eu faria de novo, repetidas vezes sem me arrepender se fosse por você porque como fui ensinada muito bem: é isso que a gente faz quando ama, se arrisca só para que o outro não sofra.
Já choramos rios e oceanos juntas assim como rimos horrores durante nossas viagens de ônibus para Brasília ou filmes engraçados e eu sou grata por cada momento que tive ao seu lado desde as horas montando aula até as brigas em que gritávamos uma com a outra sem entender que tudo aquilo era para um bem maior. Se Deus me deixou escolher nascer de você e viver todos esses anos junto a ti eu só posso agradecer a Ele por cada segundo ao seu lado e afirmar quão bom Ele é a mim, sempre pedi muito, mas nunca agradeci tanto por ter algo como agradeço por ter você.

Mãe, você é meu maior pilar, meu único espelho e a definição de força aos meus olhos. Mesmo depois de tantas rasteiras dadas pela vida você continua erguendo-se no seu maior salto e sorrindo porque sabe que atrás de você existe uma família que te ama e precisa de você mais do que tudo, sem você não existiria "família Fernandes" ou qualquer conceito de união, você é a responsável por cada dia que passamos juntos e também pelos momentos que passamos separados. Sempre me perguntaram qual era a maior heroína aos meus olhos e a única visão que eu tinha era a sua, trajando suas roupas de trabalho, buscando eu e meu irmão no colégio, trabalhando o dia todo, indo para suas atividades e ainda sendo capaz de cobrir-me a noite e ficar ao meu lado até eu dormir, porque você mãe, sempre foi a paz de todos os meus pesadelos, o bálsamo de todas as minhas dores, a luz de todos os túneis e a estrela mais brilhante de cada noite de luar. 

Sei que não sou a filha perfeita, mas sou eu e tento ao máximo ser o motivo do brilho dos seus olhos quando alguém fala sobre filhos, tenho meus defeitos incontáveis como todos têm e tenho também a habilidade de te tirar do sério e te fazer rir com um estalar de dedos. Sendo a "mulher da casa" no meio de dois irmãos e um pai coruja ao extremo busco, do meu próprio jeito, mostrar a você que sou diferente, sou extrovertida e tenho uma energia que para você é incomum e que se eu fosse a "garotinha perfeita" nada disso aqui existiria e nossas vidas seriam um curta chato de dez minutos em preto e branco e não uma longa metragem explosiva e emocionante com cores e unicórnios. 
Brinco repetidamente com suas manias e esquisitices desde os dialetos cariocas até as manias de monge, mas adoro cada pequeno detalhe em você até aquelas caras de brava que deixam sua cara fofa toda franzida e um traço na testa tão engraçado que desmancha toda situação complicada. Você odeia elogios, chocolate, palestras tediosas, lugares cheios, pessoas gritando e criança escandalosa, mas sei quanto ama amarelo, orquídeas, maria-mole, Cosme Damião, filme de ação e pipoca numa combinação estranha. Você é uma mulher incrível e espero um dia chegar a ser a mulher, mãe, educadora, palestrante e professora que você é. 

Meu estoque de idéias acabaram, mas meus sentimentos por você nunca irão e você sabe muito bem disso. Eu te amo mais que sorvete de flocos, pastel de feira, Netflix, pizza de mussarela e suco de laranja com pão feito por você pela manhã, feliz dia das mães rainha do universo
ps: desculpa pela demora, o papai me enrolou com a foto tsc
ps2: monja Nabuco cof cof 
ps3: "Cecília tira as roupas da corda!"
Com muito amor no coração,
Cecília Fernandes 

0 comentários: