5 livros que mudaram minha perspectiva.

sábado, maio 30, 2015 Cecilia Fernandes 0 Comments


Alô, alô bibliomaníacos 
Que saudade de falar sobre livros aqui com vocês! Bom, o Literamaniaca - apesar do nome - não fala exclusivamente de livros, mas tudo relacionado ao mundo da literatura que geram filmes e esses filmes trazem boas músicas e essas boas músicas excelentes playlists e por ai vai até o fio que gera o blog estar formando um enorme emaranhado de assuntos e temas.
Maaaas como o que me motivou a fazer o blog foram um conjunto de livros que me encantaram profundamente eu acho maravilhosamente bom falar sobre literatura com meus leitores aficionados por essas páginas criativas. 
Decidi trazer nessa postagem os livros que me motivaram, não só a fazer o blog, mas também mudaram minha visão de mundo


Sinopse: Tom não é super-herói, mas todos os seus amigos têm superpoderes: o poder de ficar muito tempo embaixo d'água, da superirritação, da procrastinação, de tropeçar, fazer concinha entre outros. A Perfeccionista é a super-heroína por quem Tom se apaixonou. Seu super poder é ser perfeita e deixar tudo perfeito. Hipno é o super-ex-namorado com ciúmes. No dia do casamento de Tom e Perfeccionista o vilão faz a noiva acreditar que o noivo é invisível. A Perfeccionista acha que Tom a abandonou e vai recomeçar a vida em uma nova cidade, agora Tom ter[a que fazer tudo que esteja ao seu alcance utilizando suas incríveis habilidades humanas para que ela volte a enxerga-lo e quem sabe ama-lo novamente. 
Porque mudou minha perspectiva: Andrew conseguiu provar que dentro de nós existe um super-herói esperando o momento certo de sair, mostrou-me num período turbulento que as amizades e a família são os apoios que sempre vigiam teus passos prontos para segurar-te se vier ao chão, mudou o conceito de perfeição que havia impregnado em minha própria mente transformando tais ideias em um jardim florido com as mais diversas possibilidades
leia a resenha que eu fiz aqui 


Sinopse: Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. 
Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.
Porque mudou minha perspectiva: Como tiete do tio John Verde eu sou suspeita para falar, mas Cidades de Papel me abriu os olhos para diversas coisas, me mostrou que convivemos com pessoas de papel em cidades de papel constantemente, me fez enxergar que as vezes quando amamos colocamos a pessoa em um pedestal enorme amando a imagem que temos dela sem nem nos preocuparmos com o que ela é de verdade, me fez rir e também me fez chorar, mas acima de tudo me encantou com cada capítulo e narrativa. 
vai ter filme e vai ter resenha aqui sim calm down


Sinopse: Pat Peoples, um ex-professor de história na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um 'tempo separados'.  Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, sua esposa negando-se a aceitar revê-lo e seus amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora um viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. 
Porque mudou minha perspectiva: Quando eu fiz a resenha desse livro foi extremamente difícil escolher as palavras para descreve-lo, e sinto que repito essa sensação como um dejavú aqui agora. Pat Peoples e Matthew Quick abriram meus olhos para o lado bom da vida, literalmente, vendo tudo que o personagem passou na história eu percebi que toda história possui um lado bom, que devemos utilizar isso para conseguir lidar com os momentos ruins que nos cercam.
leia a resenha aqui

Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.
Porque mudou minha perspectiva: Ao passar alguns dias acompanhando a história de Auggie se desenrolar pelas páginas do livro eu pude entender e sentir como é a mente de uma criança que sofre algum tipo de deficiência, mesmo com as dificuldades provenientes da doença toda criança é extraordinariamente maravilhosa, como dentro da mente deles existe um mundo completamente diferente e colorido. Auggie pintou meu branco e preto com seus tons fortes de azul abrindo meus olhos para cada pessoa transformando o conceito "pessoa normal" somente em "pessoa"


Sinopse: Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras - são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.
Porque mudou minha perspectiva: Por meio desse livro eu fiz amigos e amigas incríveis dos lugares mais inusitados do Brasil, pessoas que nunca pensei conhecer e que hoje são fundamentais na minha vida. Pelas cartas de Charlie vi como é ser um garoto de ensino médio com a mente turbulenta, sentir-se invisível no meio de uma multidão que grita suas cores, ele me mostrou que a amizade não deve ser comprada e sim conquistada por meio da sinceridade e gentileza. 



Bem, esses ai são os cinco livros que mudaram minha visão sobre o mundo e sobre as coisas ao meu redor, as vezes eu ainda os pego buscando inspiração para um texto ou algo assim, já os emprestei para diversas pessoas e eles vêm causado o mesmo efeito neles e nos outros leitores que conheço. 
Espero que tenham gostado! Ah, adoraria saber quais livros mudaram a visão de vocês :)

0 comentários: