"A magia acontece fora da sua zona de conforto"

sexta-feira, abril 03, 2015 Cecilia Fernandes 1 Comments


Acordar. Desligar o despertador tocando "Its a Beautiful Day" do Michael Bublé procurando alguma animação para o dia. Fazer um sanduíche com pão integral e um copo de suco de laranja da mesma marca de sempre. Tomar um banho e ir me vestir seguindo a ordem usual: roupas íntimas, blusa, calça jeans, meia e tênis. Beijar minha mãe no rosto e ir correndo para o carro, já que, como sempre eu deixei o despertador me acordar quase vinte minutos depois do programado. Ouvir o Reinaldo Azevedo na rádio falando sobre as mesmices abençoadas de cada dia: crime, corrupção, desvio de verba, políticos com palavras vazias e blá blá blá...

"Zona de Conforto" pode ser entendida como tudo aquilo que se torna rotina, uma série de comportamentos que adotamos por costume e acaba se tornando automático em nossa vida. Encontra-se nessa zona pessoas acomodadas, acostumadas, confortáveis em suas próprias regras, em seu subprograma seja esta acadêmica, profissional ou até mesmo social.

Se você come o mesmo tipo de comida toda manhã, mesmo não gostando, mas tem preguiça de explorar outros tipos de comida: você está em uma zona de conforto, se você está em um emprego que não gosta, mas não quer arriscar correr atrás de algo diferente: você está em uma zona de conforto, se você conversa com as mesmas pessoas, sobre as mesmas coisas, com as mesmas piadas, e histórias, mas tem receio de se socializar com novas: você está em uma zona de conforto. Por mais que queiramos negar, fugir, provar o contrário e lutar contra estamos sempre, de algum modo, em uma zona de conforto.

O que te separa da magia, do incrível, do novo, do sensacional é apenas o medo criado pelo seu próprio psicológico que prega em sua mente a ideia de que arriscar é perigoso quando na verdade não é: o ser humano foge de riscos, ele abomina mudanças e se esconde ao máximo do novo. Aquilo que é comum é confortável, aquilo que é corriqueiro é bom, o que sempre está lá é agradável. Mas o bom, o confortável e o agradável não são suficientes e nem nunca serão. Segurança é uma ilusão. 

Escrevendo o texto de introdução, me senti cansada, como se apenas ler aquilo me desse agonia. Uma amiga muito próxima a mim disse que você só conhece o espaço ao seu redor quando abandona sua zona de conforto e se abre para inúmeras novidades e isso é a mais pura verdade. Se permitir é jogar os papéis para o alto, chutar o pau da barraca, arrebentar todas as correntes que te domam e te prendem ao comum, ao chato, ao monótono. Somente quando eu deixei tudo de lado pude perceber quão limitada minha visão era e quão grande era o mundo.


Como sair da sua zona de conforto:

1. Avalie sua própria vida
Dê uma olhada para si mesmo, passe um dia observando mais e participando menos:
O que você faz quando acorda? 
Com quem você conversa durante o dia?
O que vocês faz quando dorme? 
Como se relaciona com as pessoas?
O que você faz quando almoça ou janta? 
O que você faz durante o dia? 

Procure a resposta dessas perguntas antes de decidir qualquer coisa e após rever alguns conceitos foque nessa pergunta primordial: 
Você está realmente satisfeito com isso? 

2. Faça alguma coisa que você jamais fez antes. 
Estude um idioma novo, procure entender sobre uma área desconhecida, explore um instrumento musical, busque por curiosidades espantosas, leia um livro de piadas ruins, pratique algum esporte, faça um curso de arte, corra na rua, escreva um livro, crie planos, tire fotos, pinte um quadro, customize uma blusa, ande a pé, compre discos antigos. 
Durante um mês explore coisas que nunca fez procurando apenas explorar um lado desconhecido da sua realidade.

3. Desligue-se
Por uma semana nesse período de um mês, desconecte-se das redes sociais, deixe de lado desde o Facebook até a televisão - pode ser difícil de acreditar, mas os instrumentos de comunicação agem como uma das correntes que nos prendem na zona de conforto - utilize esse tempo livre para explorar mais atividades, procure realizar aquela que você gosta, mas não realiza frequentemente por "falta de tempo", visite um amigo espontaneamente, converse com os vizinhos, passeie no parque com alguém que você gosta simplesmente para aproveitar a companhia. 

4. Faça coisas inusitadas.
Um pouco semelhante ao primeiro, mas esse passo envolve sua relação com outras pessoas: abrace alguém inesperadamente, beije a pessoa amada enquanto ela reclama do dia, sugira em seu grupo de amigos um piquenique no parque, proponha uma caminhada para aquele seu melhor amigo, jogue sobre a mesa do bar uma ideia que pareça impossível e transforme-a em algo próximo a você. 

5. Fale mais, olhe menos.
O "período de observação" foi só no primeiro passo. Dê opiniões, crie debates, imponha-se, grite aos ares o que pensa sobre determinado assunto, diga o que está em sua mente, estimule discussões construtivas, utilize sua voz ao máximo.

6. Abandone o monotonismo até nos detalhes.
Troque a capa do seu celular por uma completamente diferente, mude o estilo de se vestir, troque as músicas em seu celular por aquelas que você nunca pensou ouvir, pegue o caminho mais longo, pinte o cabelo ou radicalize no corte, mude os móveis de lugar, compre decorações diferentes, troque a cor neutra do esmalte ou da gravata por uma mais chamativa. Acredite, você irá se sentir melhor e os típicos "nossa você está diferente" irão surgir quando alguém te encontrar de cabelo preso e esmalte laranja neon.

7. Conheça novas pessoas.
Puxe assunto com aquela mulher que está indecisa entre a banana nanica e a banana maçã na feira, ou com o caixa da padaria, pague uma bebida para alguém no bar, converse com aquela pessoa reclusa do fundo da sala, cumprimente aquele vizinho carrancudo com um sorriso, mande mensagem para a pessoa mais aleatória do seu celular, marque um encontro com aquele carinha que não tem nada a ver com você, procure mudar os rostos que você vê todo santo dia.

8. Viaje
Sabe aquelas cenas de filme onde a mocinha ou o mocinho rodam o globo e o param apontando o dedo para o lugar que aparecer? Faça isso, sem brincadeira nenhuma. Você pode ir parar em um safári na Tanzânia ou andar pelos castelos na Romênia, quem sabe explorar a cultura do Egito ou a culinária da Índia? Pesquise, conheça, explore, planeje. Pode parecer totalmente e irrevogavelmente impossível de você pisar com seus pezinhos na França, mas quem arrisca não petisca certo?
Se for realmente impossível, role dos dados dentro do seu próprio país, imagine quão incrível é o sul do lugar onde mora ou aquele lugar quente que todos falam e que nunca passou em sua mente? 

9. Vá a lugares novos na sua cidade
Visite aquele restaurante mexicano apenas para descobrir quão estranho é um bufrito, vá a uma aula de dança de salão e ria até seus olhos pularem de seu rosto das velhinhas requebrando o corpo inteiro, vá a um curso de culinária aprender a fazer uma boa tapioca - tô precisando galera -, vá a um estádio assistir a um jogo de um time que você nem gosta, compre um ingresso para o show daquele ídolo famoso pelas garotinhas, chegue no cinema e assista ao filme que estiver prestes a passar, visite um museu apenas para fingir que entende o que raios significa a tinta jogada na tela branca que está exposta na parede, pegue um ônibus e desce em qualquer estação apenas para andar sem rumo. 

10. Lembre-se:
A única coisa te separando do mundo de possibilidades ao redor de você é a tendência a esconder-se do mundo com medo de não ser forte ou bom(a) o suficiente, existe uma infinitude de possibilidades além do que você conhece, sair da sua zona de conforto irá te alavancar para níveis completamente diferentes do usual, fora do seu preto e branco existe inúmeras cores e tons diferentes, a magia está no que você não vê e somente você é capaz de desencadear tudo isso.


Quando me vi cansada demais da minha própria rotina comecei, gradativamente, a adotar novas técnicas para minha própria vida, estava extremamente receosa no início de tudo me questionando diversas vezes se aquilo daria em algo, bem, deu sim em uma coisa muito maior do que pude pensar. Foi quando passei a adotar os dez passos citados acima que: a ideia do blog surgiu, as palavras de um possível livro se encaixaram em minha mente, eu cortei todo meu cabelo apenas para vê-lo crescer rebelde e livre como está hoje, meu amor por fotografia apareceu, eu passei a tomar atitude nos debates que ocorriam ao meu redor, o teatro se tornou um compromisso sério, a arte tomou lugar em minha vida e todas as outras pequenas grandes coisas que me definem floresceram no meu jardim interior tão apagado antigamente.
Com essa postagem enorme deixo para cada um a mensagem que foi passada para mim: você só se sente confortável quando a coragem se sobrepõe ao medo.
Para todo dia:
a vida começa no final da sua zona de conforto :)

Um comentário:

  1. voce escreve muito bem parabens continue assim sempre enovando e falando um poucosobre tudo

    ResponderExcluir